Quebrada Maps?

O que é o Quebrada Maps

Coletivo composto por pesquisadorxs/ativistas interessadxs em mobilizar a linguagem cartográfica como estratégia para fortalecer os debates que envolvem os territórios de ‘quebrada’. Para isso, mobilizamos atividades em torno de proposta metodológica para a produção de mapas de maneira crítica e participativa.

Nossas atividades tem circulado por três esferas:

  1. Práticas para o Ensino de Geografia na escola pública;
  2. Pesquisa e produção de conteúdo;
  3. Oficinas e Formações em cursos livres.

O QuebradaMaps quer colaborar com novos/outros discursos cartográficos, preocupados em discutir e fazer uma cartografia comprometida com a periferia e com a produção de discursos espaciais contra – hegemônicos, para fazer isso consideramos três eixos para nossas ações, que são:

  • Mapas propostos por outros autores;
  • Mapas com outros conteúdos;
  • Mapas elaborados por outras formas (epistemes).

Como tudo isso acontece?

Na intersecção destes eixos está a formação de Agentes de Mapeamento Participativo e Crítico. Atividade que começou em 2015 durante a interação proposta pelo Wellington nas atividades do mestrado orientado pela professora Regina Araújo e do seu trampo como educador na EMEF Profº Roberto Mange (Rio Pequeno, ZO, SP). Formação que amadureceu e se repetiu na mesma escola em 2016 e em 2017 também chegamos na EMEF Padre Chico Falconi (Itaim, ZL, SP) e fizemos uma breve intervenção na EE Antoine de Exupery (Vila Carbone – Limão ZN).

WP_20151022_13_00_55_Pro

Mapa falado em 2015

 

14883666_1540714582620817_3594505219518299990_o

Apresentando projeto na Semana de Geografia da USP em 2016

P_20170918_152718

Documentário: “Todo mapa tem um discurso” em 2017

A escola pública e a Educação sem dúvida ganharam protagonismo nas ações do projeto, não só pela proximidade pessoal que tínhamos, mas por seu lugar estratégico para atingir a juventude periférica; afinal, o que chega por aqui além da Boca do Lixo?

Assim, entendendo a centralidade da escola, também passamos a pensar uma formação para educadores, porém, antes da primeira turma temos construído subsídios para contribuir com esta Cartografia Crítica e Participativa na Escola e no Ensino de Geografia. Basta visitar o quarto capítulo da dissertação que deixamos acima ou visitar um resumo neste  artigo.

Em meio a tudo isso, o projeto vai ganhando reforços, no final de 2016, com a chegada da Jéssica Cerqueira (agora oficialmente rs) e do Marcelo Pacheco, somos contemplados com um edital de financiamento a tecnologia (VAITec) o que permite amadurecer e concretizar propostas que estavam no plano das ideias. Agora fora da escola, na favela do Sapé (também no Rio Pequeno), retornam os primeiros agentes de mapeamento formados na experiência inicial do QMaps. Diego Souza, Khemily Cristiny e Mateus Branco no papel de articuladores locais e constroem uma nova turma de agentes de mapeamento.

DSC08546

Agentes durante trabalho de campo no Pico do Jaraguá

Aos sábados a turma de agentes passou por conteúdos de Cartografia, Geografia e Tecnologia, debateu o território e realizou trabalhos de campo e retomando os primeiros mapeamentos dos anos de 2015 e 2016 construiu mapas multimídias para o Sapé/Rio Pequeno e para o Jd. Jaqueline.

Estes novos autores cartográficos começam assim a contar outros conteúdos para a geografia da cidade; na mesma perspectiva, os encontros com os jovens geram elementos para a produção de mapas temáticos para debater o território político-administrativo que as Quebradas em questão estão inseridas. Com a chegada (agora de vez rs) do Felipe Garcia elaboramos o Caderno de Mapas da prefeitura regional do Butantã (disponível para download).

Lançado na EMEF Profº Roberto Mange no finalzinho de 2017, aos poucos o Caderno vai chegar as bibliotecas das escolas públicas da região e a expectativa é que possa ser ferramenta tanto para a prática pedagógica, quanto para a contextualização da unidade escolar e sua equipe.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Por fim, a forma com que tanto mapas como formação foi construída pode ser sistematizada no Guia Metodológico para Mapas Críticos e Participativos (disponível para download); de maneira sucinta retoma e discuti nossos métodos e práticas, afim de promover a Cartografia utilizada pelo Quebrada Maps.

A expectativa é continuar circulando com nossas ideias, breve um pouco mais de histórias por aqui.

Quebrada Maps!

Há muitas versões para o mesmo Mapa
Há muitos territórios para a mesma Cidade

Como sua Quebrada está no mapa?

Há mapas que fazem apagar
Há mapas que fazem é controlar

Já usou o mapa pra mobilizar e fortalecer sua Quebrada?

Anúncios