Sobre Projeções e Mapa Mundi

Outro dia escrevemos um post aqui no blog a partir da seguinte pergunta: “Qual o centro do seu mapa?”. Se quiser dar uma lida é só dar um pulo neste link. Os dias foram passando e rolou esbarrar com um site que facilitaria um pouco o trampo que fizemos para escolher nosso centro do mapa mundi utilizando do QGis.

World Map Creator e Mercator Puzzle

Disponível gratuitamente no site de mesmo nome, a ferramenta permite que você possa criar seu planisfério a partir da projeção de sua escolha, porém, além disso, de maneira simples, está disponível a qualquer usuário leigo e permite que este possa definir qual o centro ou mesmo um zoom para seu mapa do mundo. Rola também fazer pequenas seleções de camadas, alterar as cores que compõe seu mapa e no final de tudo isso ainda baixar este mapa em formato de imagem.

Mapa Mundi

Mapa Mundi na Projeção de Mollweide centrada em São Paulo gerado no World Map Creator

Desenvolvido por Julia Mia Stirnemann na Universidade de Artes de Bern na Suíça, o recurso aparece com uma potente ferramenta para fornecer mapas do mundo e narrativas sobre o espaço geográfico não convencionais. Cabe destacar que tanto pela própria possibilidade de ‘personalização’ da representação cartográfica, quanto por sua acessibilidade contribui tanto com o debate prático na Cartografia Crítica (papo que fizemos lá na dissertação) quanto com a democratização da Cartografia.

Ah, para quem tá na sala de aula, lembra explicar projeção cartográfica… vixe… Mesmo com laranjas ou muito talento nos desenhos, nem sempre é fácil explicar tamanha abstração dentro da matemática e geometria. O site pode ser maneira interessante de dar materialidade e interatividade para o assunto.

Falando em interação e materialidade (gráfica), outra dica interessante para quem está tentando pensar ou levar o assunto para a aula de Geografia, o Mercator Puzzle é outra ferramenta interessante. Para problematizar a projeção de Mercator é corriqueiro repetir o caso da Groenlândia, que devido as distorções no consagrado mapa de Mercator ,  aparece em uma área muito maior no mapa do que de fato é o tamanho real da ilha. Esse ‘joguinho’ ilustra como cada pais apareceria representado pela projeção de Mercator se estivesse em uma latitude diferente daquela que está.

Com tudo isso, parece ficar mais fácil entender o efeito da latitude na eterna treta que é transformar um sólido (3d) em um plano(2d). Pra quem não tem ideia do que estou falando, faço o velho exercício da laranja. Depois de descasca-la, tente deixar a casca toda junta em um plano

Antes que eu esqueça, seguem os links de cada site:

Boa brincadeira com os mapas.

Anúncios
Esse post foi publicado em Educação, Reflexão, Sem categoria e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s