Mapa, instrumento de poder!

O terceiro episódio , Correio, da série Cidade dos Homens é ótimo disparador para este debate.

A ausência de ruas da favela no mapa impedia que os seus moradores fossem atendidos pelo serviço dos Correios. A polêmica leva adolescentes a construírem um mapa da favela. A partir deste enredo é possível discutir igualdade de direitos na sociedade e a própria cidadania mediada pela representação nos mapas.

Porém, há décadas atrás o geógrafo Yves Lacoste já dizia,

“O mapa, talvez a referência central da geografia, é, e tem sido, fundamentalmente um instrumento de poder. Um mapa é uma abstração da realidade concreta que foi desenhado e motivado por preocupações práticas (políticas e militares); é um modo de representar o espaço que facilita sua dominação e seu controle. Mapear… é servir aos interesses práticos da máquina estatal” (LACOSTE; 1989)

Assim, o mapa que pensava em garantir direitos caí na mão da polícia e lá passa a servir como instrumento de controle. Essa hora é sempre bom pensar, à que(m) serve o mapa que você está fazendo?

 

*LACOSTE, Y. A Geografia – Isso Serve, em Primeiro Lugar, para Fazer a Guerra. São Paulo: Papirus Editora, 1989.
Anúncios
Esse post foi publicado em Reflexão e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s